A MORTE TAMBÉM VIVE

A vida é uma chegada difícil, a morte é uma partida fácil. Difícil chegar porque a vida não se deu num piscar de olhos, já a morte sim, é de fácil partida porque essa se dá num relaxar de olhos. Vida, apesar de ser o oposto da morte, é também complementar a morte. Morte, apesar de oposta a vida, é também complementar a vida. Sendo assim, uma não vive sem outra. Sendo assim uma não morre sem a outra. A morte não acontece sem a vida, a vida não acontece sem a morte. Será que pra se viver é preciso morrer? Ou pra morrer é preciso viver? Se a vida fosse uma empresa, a morte seria sua sócia com 50% dos lucros… Sim, a morte tem sua parcela de culpa nos atos da vida. A vida também paga pelos seus atos. Vivemos sempre em cima do muro, caminhando cautelosamente em linha, buscando equilíbrio, aprendendo com os desequilíbrios, afinal para cada lado do abismo, existe 49,999…% de chance de você cair na vida, ou cair na morte. A vida é sempre uma breve lembrança da morte, a morte é uma eterna lembrança da vida. Se não fosse pela a morte, a vida não teria sentido, eis aí o maior paradoxo de todos os tempos. Tentamos evitar a morte, nos entristecemos quando pensamos na possibilidade de não viver mais, mas nos esquecemos que se a morte não existisse, a vida seria muito chata, pois não teríamos como sentir a dor do tempo passado e nem do sentimento de futuro que só o presente pode trazer.

(Tato - Marcel Ferrari Longuini, em divagações ao falecimento do tio avô Zico)

"Faz sentido que se esteja a enviar para o espaço uma sonda para explorar Plutão enquanto aqui as pessoas morrem de fome? Estamos neuróticos. Não só existe desigualdade na distribuição da riqueza como também na satisfação das necessidades básicas. Não nos orientamos por um sentido de racionalidade mínima. A Terra está rodeada de milhares de satélites, podemos ter em casa cem canais de televisão, mas para que nos serve isto neste mundo onde tantos morrem? É uma neurose coletiva, as pessoas já não sabem o que é que lhes é essencial para a sua felicidade."
(José Saramago)

(via m-carb)